Eficiência das antenas

Eficiência das antenas

Cadastre-se e receba as novas postagens por E-mail:

2000 usuários cadastrados

No dicionário, eficiência pode ser entendida como obter um resultado com um mínimo de perda de recursos, ou seja, a busca da eficácia.

Já nas antenas, o mesmo ocorre, onde  uma antena receptora é usada para captar uma onda eletromagnética e dela extrair potência, a qual será fornecida à carga (circuitos de recepção). Assim, uma antena receptora, independente de sua forma física (filamentar, corneta, etc) pode ser vista como uma abertura que extrai potência da onda recebida.  A abertura efetiva (ou área efetiva) de uma antena é definida como a razão entre a potência recebida ou captada pela antena e a densidade de potência média nela incidente.

Quanto maior a abertura efetiva de uma antena, maior será sua capacidade de extrair potência da onda recebida. Muito se houve falar, tanto dos antenistas, quanto dos satentusiastas: “Quanto maior a antena, melhor”. Fato provado com a descrição deste parágrafo.

A abertura efetiva de uma antena não é necessariamente igual à sua abertura física. Assim, a eficiência de abertura, que indica quão eficientemente a abertura física da antena é utilizada, depende da distribuição dos campos na abertura da antena. Tipicamente, cornetas têm eficiência de abertura entre 30% a 90% e antenas refletoras entre 50% a 80%.

Como mostrado acima, a eficiência de reflectância do prato em um refletor parabólico não é perfeita. Por conseguinte, há uma pequena parte do mecanismo de alimentação de sinal irradiado, que é absorvida pela superfície da placa. Além disso, a energia perto da borda do prato não é refletida, mas é refratada em torno da borda. Isso é chamado de vazamento ou derramamento, por imperfeições dimensionais, é refletido entre 50% a 75% da energia emitida pelo mecanismo de alimentação.

*Reflectância: é a proporção entre o fluxo de radiação eletromagnética incidente numa superfície e o fluxo que é refletido.

Além disso, em uma antena real, o mecanismo de alimentação não é uma fonte de ponto. Ela ocupa uma área finita em frente do refletor, e blocos de uma pequena área no centro do prato, formando uma área sombreada na frente da antena, que não é capaz de recolher ou concentrar a energia. Estas imperfeições contribuem para a eficiência normal de uma antena parabólica, que é de apenas 55%. Isto é, somente 55% da energia irradiada pelo mecanismo de alimentação que se espalha como um feixe concentrado.

Eficiência das Antenas
Eficiência das Antenas

Na imagem acima, é possível visualizar as diferenças entre duas antenas. Todas elas das mesma marca, pois existe uma falta de informação das demais marcas em relação a eficiência de suas antenas. A do canto esquerdo, é uma antena telada voltada para banda C, focal point de 1.90m. Ela possuí uma eficiência de 55%. Já a antena do canto direito, é uma offset de chapa, voltada para banda Ku, e possui 65cm.

Percebam que antenas teladas possuem eficiência média de 55%. Já antenas de chapa possuem média de 75%. A antena acima possui 70%, mas é possível encontrar anúncios com antenas que chegam até 80%.

Conclusão

Podemos concluir que a eficiência passada para o ganho das antenas, resultam em um pequena diferença de acordo com a porcentagem. Mas que poderia ser útil em um dia nublado ou chuva, evitando possíveis travamentos.

Deixe uma resposta